quarta-feira, 14 de junho de 2017

Milos - 4 dias nessa linda ilha grega!

              Milos foi nossa segunda ilha grega a ser visitada. Em nossos 23 dias na Grécia passamos antes de Milos pela parte continental (Nafplio, Micenas, Epidauro, Delfos, Meteora e Atenas) e Santorini. Já estávamos encantados por esse país. Caso queira ver um pouco dos outros lugares é só clicar nos links.
       Chegamos à ilha de Milos às 20h30min e fomos caminhando até o nosso hotel, que ficava bem próximo do porto, na cidade de Adamas (Αδάμας). Escolhemos ficar no Eleni Hotel (€ 80) em razão de diversas recomendações que lemos na internet. O hotel é bem simples, mas fica bem localizado e a dona do estabelecimento, a famosa Eleni, é uma atração à parte! Ela é muito simpática e solícita e faz de tudo pra gente se sentir em casa. Diariamente ela conversava muito conosco e nos passava muitas dicas de praias e restaurantes da cidade. Fomos jantar no centro de
Adamas, no restaurante Flisvos (εστιατόριο φλοισβοσ). O restaurante é muito bom, com uma equipe muito receptiva de garçons. O menu fica exposto na frente do restaurante e o próprio dono nos abordou fazendo uma boa propaganda do lugar! A comida não deixou a desejar e os preços são bons (€ 30 para 2 pessoas). O restaurante oferece wifi grátis de velocidade razoável, o que é praticamente regra em todos os restaurantes da Grécia, não importa o tamanho e a localização.



17/07/14

         O Hotel Eleni é bem pequeno e familiar e é a própria Eleni e seu filho que cuidam de praticamente tudo, inclusive da preparação do café da manhã. E a primeira refeição do dia não decepcionou! Tudo é preparado com muito cuidado e o buffet oferecia várias ótimas opções, destaque para o autêntico iogurte grego, que fica ótimo com mel, castanhas e frutas, e os queijos, especialmente o feta.

        Antes da viagem eu já havia reservado o carro (Fiat Panda - € 19) no Giourgas Rent a Car (https://www.facebook.com/giourgas.cars), uma empresa simples, mas muito bem recomendada. Eles me pegaram no hotel e me levaram até o escritório da empresa, bem próximo, onde assinei os contratos e já voltei dirigindo o veículo.

        Saímos para conhecer as praias do norte de Milos (Μήλος). A ilha é famosa por ter praias incríveis em toda a sua orla, além do belíssimo visual formado por milhares de anos de atividade vulcânica na região. A primeira parada foi na praia de Sarakiniko (Σαρακήνικο), muito conhecida por suas peculiares formações rochosas, resultado da ação do mar e do vento forte. A impressão é que estamos em outro planeta! O local é de fácil acesso e a praia é muito tranquila para nadar. Mas é bom ir preparado com toalha e alimentos. Na entrada do estacionamento há um trailer que vende lanches e bebidas, fora isso não há infraestrutura para receber os banhistas (cadeiras e guarda-sóis).

Sarakiniko, Milos, Grécia

Sarakiniko, Milos, Grécia

Sarakiniko, Milos, Grécia

Sarakiniko, Milos, Grécia
Sarakiniko, Milos, Grécia

        Depois de um tempo seguimos para a praia de Papafragas (Παπάφραγκας). Tivemos um pouco de dificuldade de encontrar a entrada, pois não havia sinalização. O estacionamento fica à beira da estrada. A praia é pequena, mas ótima para nadar, com águas muito cristalinas. Também não há infraestrutura.

       Saímos para almoçar na Praia de Pollonia (Πολλώνια), que tem uma boa infraestrutura de restaurantes. Escolhemos o restaurante Armenáki (Αρμενάκι). O restaurante fica bem em frente à praia, inclusive com mesas que ficam na beira da faixa de areia. O lugar é muito agradável e os garçons foram atenciosos. A nossa experiência não foi muito boa porque escolhemos um peixe que não era muito bom e custou relativamente caro para o padrão de Milos (41 euros para 2 pessoas). A comida demorou bastante pra chegar. O engraçado é que antes de escolher o prato perguntei ao garçom qual prato sairia mais rápido, já que não tínhamos muito tempo por ali, ele respondeu: "This is not fast food!!". Mas a resposta não foi grosseira e o garçom era simpático.

Após o almoço conhecemos a praia de ágios constantinos (Άγιος Κωνσταντίνος). Foi muito difícil de chegar pela ausência de placas indicativas e porque a praia é um pouco mais isolada e sem infraestrutura. Mas a água como sempre estava muito boa e cristalina!

        Seguimos para a praia de Firopotamos (Φυροπόταμος), que já estava um pouco mais movimentada que as outras e contava com uma estrutura mínima de alimentação. Por fim, seguimos até Plathiena (Πλάθιενα). A Praia é belíssima e muito bem estruturada. Para chegar ao local é preciso dirigir por um trecho de estrada de terra, mas tudo bem tranquilo. A praia conta com estacionamento, quiosques de lanche, cadeiras e guarda-sóis para aluguel e uma ótima faixa de areia. A água é cristalina e tranquila. Vimos muitas famílias com crianças.



         Para se aproveitar bem o passeio em Milos é essencial ter um carro (ou moto) para se deslocar rapidamente entre as praias. Existe transporte público, mas é bem precário. No total, rodamos cerca de 40 km de carro e conhecemos 7 praias! No final do dia, devolvemos o carro, pois não precisaríamos dele no dia seguinte.



18/07/14

              Uma das atrações mais famosos da ilha de Milos é a sua orla, formada por intensa atividade vulcânica que resultou em belíssimas paisagens. Para aproveitar esse visual é necessário fazer um passeio de barco ao redor da ilha. No porto de Adamas existem dezenas de barcos oferecendo o passeio, mas seguindo recomendações, contratamos o passeio do próprio Hotel Eleni. O passeio (60 euros por pessoa) dura o dia todo e no barco são oferecidos lanches e o almoço, além de bebidas. http://www.hoteleleni.gr/explore-the-island_en.asp

             Logo cedo, embarcamos no Eleni Boat. A tripulação nos recebeu muito bem. Depois fomos descobrir que o capitão, George Mathioudakis, é o marido da Eleni, dona do Hotel! Tudo em família! Durante o percurso os guias explicavam em grego (maioria dos passageiros) e em inglês por onde estávamos passando. Logo no início passamos por algumas vilas de pescadores, entre elas a mais conhecida pelas belas fotografias que rende, Klima! Logo à frente passamos ao lado de uma formação rochosa conhecida como Arkoudes, que dependendo do ângulo se parece com um urso, uma mulher ou um coelho.

          A primeira parada foi em uma ilha espetacular chamada Glaronisia (Γλαρονήσια). Ela é uma grande formação rochosa, resultado de atividade vulcânica. Tem um aspecto muito peculiar, como se fosse formada por várias estacas de pedra. Os guias explicaram que a ilha se formou com uma explosão de magma quente que ao se unir rapidamente à água fria deu o aspecto inusitado da ilha. Além do visual incrível, a água é muito cristalina e tivemos a oportunidade de mergulhar e testemunhar isso!


           Seguimos viagem pela orla de Milos e o barco começou a se afastar um pouco em direção à ilha de Polyaigos (Πολύαιγος). Paramos em um lugar paradisíaco conhecido como Galazia Nera (Blue Waters) ou Piscina!


        Ficamos impressionados com a cor azul do mar diante daqueles paredões brancos de rocha! Pudemos mergulhar no local e a água era muito cristalina, como nunca vimos antes. Foi sem dúvidas um dos pontos altos do passeio! Já valeria a pena ter contratado o passeio só por esse lugar!

      O barco retornou à orla de Milos e continuamos passando por diversas praias e cenários belíssimos.

Paramos na praia de Gerakas (Γέρακας), um lugar muito bonito e isolado, somente acessível por barco. Após mais um tempo de passeio chegamos até Kleftiko (Κλέφτικο). O lugar é mundialmente famoso pela beleza das formações rochosas e por ter sido usado como abrigo por embarcações piratas. Fizemos um mergulho guiado em grupo e passamos por dentro de uma das cavernas do local. Após um tempo retornamos ao barco e foi servido o almoço. Para acompanhar, serviram vinho e “água” em garrafas plásticas.  
Como não bebo, enchi meu copo com a “água” e virei tudo na boca. De repente comecei a sentir minha boca e garganta ardendo bastante e ainda consegui cuspir de volta parte do que havia bebido de volta pro copo. Fiquei com os olhos cheios de lágrimas e a garganta ardendo! Aí que percebi que a tal “água” na verdade era Ouzo (ούζο) uma famosa bebida destilada alcoólica grega! Continuamos o passeio até o barco retornar à baía de Adamas e aportar na cidade, por volta das 19:30.

        Jantamos em uma lanchonete bem simples de Adamas, chamada O Gyros Tis Milou (Ο Γυρος Της Μηλου) (12 euros para duas pessoas). Como o próprio nome diz, lanchamos a especialidade da casa: Gyros!



19/07/14

         Alugamos novamente um carro no Giourgas Rent a Car (https://www.facebook.com/giourgas.cars) e nos dirigimos até Tripiti (Τρυπητή), cidade que fica praticamente colada em Plaka (Πλάκα), para conhecer as Catacumbas de Milos. As catacumbas ficam bem próximas do antigo teatro da cidade, local onde foi encontrada a famosa estátua da Vênus de Milos ou Afrodite de Milos (Αφροδίτη της Μήλου) como eles chamam por aqui! O passeio às catacumbas cristãs é imperdível, pois são as únicas estruturas desse tipo em toda a Grécia. Ao chegar, você compra os ingressos (3 euros por pessoa) e aguarda a funcionária chamar, pois o passeio é realizado somente em grupos com um guia.


Depois visitamos as praias do sul de Milos. Começamos pela praia de Tsigrado (Τσιγκράδο). A praia é pequena e isolada. Para chegar ao local é necessários descer uma trilha no morro por meio de escadas e cordas. Mas vale a pena o esforço, pois a praia é de águas cristalinas e calmas. A praia não conta com infraestrutura de guarda-sóis, cadeiras ou alimentação.

        Bem ao lado de Tsigrado fica a praia de Firiplaka (Φυριπλάκα), muito mais movimentada, já que conta com uma boa estrutura de cadeiras e barracas para aluguel. Há também um pequeno restaurante que vende lanches e bebidas. Uma coisa que achamos incrível na Grécia é que os preços são bem padronizados e não existe aquela cultura tão presente no Brasil de levar vantagem sobre os outros. Por exemplo, na praia de Firiplaka, um local relativamente isolado, compramos água mineral por 0,75 centavos de euro, preço bem semelhante ao encontrado nos mercados e em outros lugares. Aqui em nosso país infelizmente sabemos que esse preço seria multiplicado várias vezes apenas em razão de a água estar sendo vendida na praia.

      Seguimos até outra praia próxima, chamada Paleochori (Παλιοχώρι), onde almoçamos no restaurante Sirocco (εστιατοριο Sirocco) (http://www.restaurantsirocco.gr). Pedimos de entrada uma porção de Tirópita (τυρóπιτα) para experimentar. Trata-se de pastéis de queijo feta que fazem jus à fama, pois são deliciosos! De prato principal comemos carne com batata e lula frita (28 euros para 2 pessoas). O restaurante é muito agradável, praticamente na areia da praia, com um bom atendimento, preços razoáveis, ótima comida e oferece wifi grátis, como é regra nos estabelecimentos da Grécia.

        Após retornarmos para o hotel para um breve descanso, fomos para a cidade de Plaka, onde assistimos ao pôr do sol no Kastro, no ponto mais alto da cidade. Para chegar até o Kastro, é necessário encarar uma grande subida de escadas e morros, mas a visão vale muito a pena!









          Passeamos um pouco pela cidade de Plaka, com suas ruas estreitas e casario antigo, e depois retornamos a Adamas, onde jantamos na pizzaria Aktaion (ακταιον) (14 euros para 2 pessoas). A sobremesa nós compramos na sorveteria Aggeliki (Αγγελική) (6,80 para 2 pessoas).



20/07/14



         No último dia em Milos decidimos conhecer a praia de Theorichia (Θειωρυχεία), também chamada de Old Sulfur Mine em Paliorema (Παλιόρεμα) que fica na antiga mina de Enxofre. O local é bem isolado e para chegar tivemos que enfrentar alguns trechos de pista asfaltada, pista de terra aplainada e no final um bom trecho de pista de terra irregular. Não foi fácil chegar de carro, então não é recomendado ir de moto ou quadriciclo. O local é incrível, pois a estrutura da mina continua intacta, com equipamentos, elevadores, etc, parecendo até uma espécie de cidade cenográfica. A praia em si é ótima, com uma boa faixa de areia e águas cristalinas e agradáveis. Vale ressaltar que a praia é muito isolada, então não há nenhuma estrutura de vendas próxima. Quem for deve levar água, comida, cadeira, guarda sol, etc.

          Retornamos para o hotel e fizemos o check-out às 12h. Como nosso Ferry Boat para a ilha de Paros só sairia às 16:30, deixamos nossas coisas no hotel e aproveitamos o tempo para levar algumas roupas para lavar em uma lavanderia em Adamas e depois fomos almoçar no restaurante Marianna (εστιατοριο Marianna) (20 euros para 2 pessoas).



      Depois fomos até Plaka e visitamos o museu arqueológico de Milos (3 euros por pessoa). O local é pequeno, mas interessante, com vários achados arqueológicos da própria ilha. Infelizmente a peça mais importante já encontrada ali, a famosa Vênus de Milos, atualmente se encontra bem longe, no Museu do Louvre, na França. Para compensar, na entrada do pequeno Museu há uma réplica da famosa estátua.



        Andamos um pouco em Plaka, comemos um doce em uma doceria da cidade chamada Paleos Pastry (παλαιός coffee & pastry) e voltamos para o hotel. Por volta de 16h50min saímos do hotel, abastecemos o carro, deixei a Ana com as malas no porto e fui devolver o carro. O funcionário da loja me deixou de volta no porto. Compramos um lanche e comemos no porto.



       O ferry chegou bem atrasado, às 18h30min. Esse foi nosso primeiro Ferry Boat tradicional (Nel Lines Aqua Jewel), pois o outro que pegamos era de alta velocidade. A diferença é que esse era bem maior e mais lento. O espaço interno era bem agradável e não havia lugar marcado, pois não havia tanta gente viajando. O único desconforto da viagem foi o calor. De vez em quando tínhamos que subir ao deck para nos refrescar. No Ferry Boat havia uma lanchonete e pudemos lanchar durante a viagem. Chegamos em Paros 12h40min. A viagem de Milos até Paros levou cerca de 6 horas, pois o Ferry parava em várias ilhas pelo caminho para embarque e desembarque de passageiros. A viagem foi bem cansativa, mas conseguimos dormir um pouco no Ferry Boat. Ao chegarmos em Paros (Πάρος), desembarcamos no porto de Parikiá (Παροικιά) e o funcionário do nosso hotel já estava nos esperando para o traslado gratuito.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Viagem para Europa com crianças no inverno

         A viagem começa com nossos sonhos e pesquisas... E assim começamos a planejar nossa viagem de férias com mais de 10 meses de antecedência e decidimos que iríamos conhecer a neve e esquiar pela primeira vez. Somos cinco: eu, marido e nossos 3 filhos. Nenhum de nós tinha tido contato com a neve ainda.


          Decidida a atividade principal da viagem... Lá fui eu procurar qual seria o melhor lugar para irmos. Dólar e Euro nem estavam tão altos quando fizemos os orçamentos.. Mas na época da viagem o dólar estava custando aproximadamente 3,35 reais e o euro R$ 4,50.  Uma tristeza!
       Como as crianças ainda são pequenas (tem 8, 6 e 4 anos), queríamos um lugar que tivesse uma boa estrutura de esqui para eles se divertirem e aproveitarem bem os dias na montanha. Além disso, tinha a questão da língua, já que eles não falam fluentemente o inglês nem outra língua, comecei a ver países que falam espanhol, assim eles conseguiriam entender bem os professores de esqui.
           Pesquisando, pesquisando, pesquisando... (Hoje em dia é ótimo ter tantos relatos disponíveis na internet e cheios de detalhes!!) Até poucos anos atrás não conseguíamos quase nenhuma informação para viagens com crianças! :-)
          Surgiu a dúvida: Chile em julho ou Europa em janeiro. Os custos com a semana de esqui estavam muito equiparados. Mesmo com passagens mais caras para a Europa, os custos com hotéis, aulas de esqui e forfait (entradas para o dia na montanha) estavam bem caros no Chile. E ainda contando que teríamos oportunidade de ficar em uma vila de montanha charmosa e conhecer mais algumas cidades próximas, decidimos por procurar alguma Estação de Esqui na Europa.


         Agora a questão era onde... Pesquisei vários lugares e o que mais se encaixou no que queríamos foi Andorra. Andorra é um pequeno país nos Pirineus, localizado entre a França e a Espanha. É bem pequeno mesmo! Tem uma via principal que atravessa o país, passando em todos os vilarejos, com saída nas fronteiras com a Espanha e a França. A língua oficial é o catalão, mas também são falados castelhano, português e francês. Hoje em dia é um próspero país devido ao crescimento do turismo e por seu status de "paraíso fiscal".  Em 2007, a população andorrana foi listada como tendo a maior expectativa de vida do mundo, com média de 83,52 anos. Realmente aquele ambiente e estilo de vida deve contribuir e muito para nossa saúde! Amamos conhecer aquele lugar! :-)
         Andorra é dividido em 7 regiões administrativas, que são conhecidas como "paróquias", com pequenas "cidades" distribuídas por elas.  O país conta com uma população de aproximadamente 70.000 habitantes, sendo que a maior e mais populosa cidade é Andorra La Vella.
        O país possui 2 Zonas de Esqui: Vallnord e GrandValira. Vallnord possui 2 Estações de Esqui: Pal Arinsal e Ordino Arcalis, com aproximadamente 100 km de pistas. Já GrandValira possui mais de 200 km de pistas interligadas, que podem ser acessadas de 6 estações (bases) diferentes: Encamp, Canillo, El Tarter, Soldeu, Grau Roig e Pas de La Casa (na divisa com a França).



        Escolhemos ficar em Canillo, um pequeno vilarejo charmoso nas montanhas. E separamos uma semana para esquiar. As aulas seriam de segunda a sexta. Vou escrever um post bem detalhado sobre nosso tempo em Canillo - Andorra e as aulas de ski com as crianças.



      Escolhemos chegar em Andorra pela Espanha, e uma das cidades mais próximas é Barcelona. Não conhecíamos e aproveitamos para ficar uns dias para conhecer aquela linda cidade! Compramos as passagens e depois de muitas pesquisa definimos nosso roteiro:


      - Viagem Brasília - Barcelona
      - 5 noites em Barcelona
                  * um desses fomos a Girona
      - Viagem Barcelona - Andorra (alugamos um carro)
      - 6 noites em Andorra
      - Retorno a Barcelona - mais 1 noite
      - Viagem Barcelona - Lisboa
      - 5 noites em Lisboa
      -  Retorno direto para Brasília   :-)

      Ufa! Depois de definir os dias e cidades, foram longos meses de leitura para fechar de vez nosso roteiro e definir nossas hospedagens. Preferimos alugar apartamentos pelo Airbnb do que ficar em hotéis, pois as crianças ficam muito mais à vontade e com mais espaço em uma viagem longa dessas. Então alugamos apartamento em Barcelona, na região da Sagrada Família (e amamos); em Canillo, bem perto da estação; e em Lisboa, no centro.



      Na viagem tivemos dias maravilhosos e curtimos demais! As crianças aproveitaram todos os momentos e gostaram muito, mesmo não sendo daquelas viagens com roteiro voltado totalmente para eles. Tivemos a oportunidade de mostrar aos pequenos lindos lugares, monumentos, cidades antigas e ambientes bem diferentes daquele onde vivem. E essa é uma das maiores riquezas de uma viagem, conhecer o novo e esse fazer parte da nossa vida e memórias!
     Além disso, amamos a neve e esquiar... Os três pequenos rapidamente estavam esquiando... Mas esse é assunto para um outro post.
    Em 2016 o inverno não estava tão rigoroso, então pegamos uma média de 8 a 10 graus em Barcelona e Lisboa durante o dia. Um clima ótimo para caminhar bastante pela cidade. 
    No final ficamos 5 dias em Lisboa e amamos também conhecer e passear por lá! Sintra foi uma linda surpresa e tiramos também um dia para eles brincarem no Kidzania.
    Com certeza foram dias que ficarão para sempre em nossa memória e trouxe grandes experiências para nossos pequenos.  Às vezes ficamos em dúvida de fazer uma viagem assim com crianças, mas eles conseguem sim acompanhar e ainda curtir bastante!




   

terça-feira, 25 de abril de 2017

3 dias em Santorini - Lugar Único!



          Chegou o esperado dia em que partiríamos rumo às famosas ilhas gregas! Depois de passar alguns dias na Grécia Continental e conhecer Atenas, esse seria o destino escolhido para o dia em que comemoramos nossos 10 de casados!! :-)  Não teria melhor escolha, Santorini é incrível! 
         Estávamos em Atenas, acordamos cedo e saímos do hotel a pé com nossas malas até a Praça Sintagma, bem perto do nosso hotel. Compramos o bilhete duplo do metrô para o aeroporto de Atenas por 14 euros. O percurso é bem rápido, o metrô saiu 8h08min e chegou ao aeroporto 8h50min. Em nossa opinião é a melhor forma de chegar e sair do aeroporto de Atenas até o centro da cidade, pois é uma opção barata, rápida, confortável e segura. O terminal do metrô é conectado ao aeroporto. Fizemos o check-in do nosso vôo para Santorini (Σαντορίνη) e entregamos nossas bagagens no guichê da Aegean Airlines. Já havíamos comprado nossa passagem há alguns meses pela internet. Durante o verão é essencial comprar as passagens com muita antecedência, pois à medida que se aproxima a alta temporada as passagens vão ficando mais caras e mais raras. O valor também varia de acordo com o horário escolhido e com a quantidade de bagagens. Nós pagamos 239 euros por duas passagens, já incluídas as taxas e 1 mala por pessoa (€30). O embarque estava previsto para 09h50min, mas só embarcamos 10h15min. O voo saiu 11h12min e chegou em Santorini às 11:46.
           Para chegar em Santorini também tem a opção de ir de barco ou ferries, que é uma opção normalmente mais barata e com maior duração. Abaixo estão algumas das empresas que fazem os percursos entre nas ilhas gregas.

Blue Star Ferries www.bluestarferries.com

Hellenic Sea Ways www.hellenicseaways.gr

Sea Jets www.seajets.gr   

           

 

      Como compramos com antecedência e depois faríamos outros percursos de Ferrie, então optamos por chegar rapidinho em Santorini, aproximadamente 30 minutos. 

           O aeroporto de Santorini é bem pequeno e fica bem lotado, principalmente nessa época do ano. É importante planejar com antecedência o traslado do aeroporto para o hotel, pois a fila para pegar um táxi era gigantesca! Antes da viagem, já havíamos reservado um carro na Vazeos Rental Car e no desembarque o funcionário da VazeosCars já estava nos esperando e nos levou até Oia. Foi ótimo! Realmente não vale a pena pegar Táxi e ficar esperando na fila, no calor e com malas..

           Paguei 45 euros por dia no aluguel de um veículo simples, mas acabei recebendo um outro veículo melhor do que eu havia pedido! Um outro ponto interessante é o seguinte: em Santorini (e nas ilhas gregas em geral) as estradas são muito estreitas e a maior parte delas é de mão dupla. Além disso, no verão as estradas estão sempre movimentadas e muitas delas passam na beirada de precipícios! Então todo o cuidado é pouco na hora de dirigir. Para quem não tem muita segurança não sei se vale muito a pena se arriscar. Mas de forma geral basta algum tempo para se acostumar com o estilo do trânsito de Santorini.

  
            Santorini possui duas cidades mais conhecidas: a capital, Thira (Θήρα), e a cidade de Oia (Οία), que fica mais ao norte da ilha e é famosa por suas casinhas brancas nas encostas. Ficamos hospedados em Oia e o caminho para o hotel já foi um passeio à parte! Fomos recebidos na entrada da cidade pelo funcionário do hotel Atrina Canava que nos levou até a recepção. O Atrina fica bem próximo da entrada da cidade e demos sorte porque a locadora de carros tem um estacionamento próprio bem atrás da rua do hotel, o que facilitou muito a nossa vida, já que não é fácil encontrar vagas por ali! 
         O hotel Atrina Canava é incrível! Seus quartos são localizados em antigas cavernas escavadas na rocha. Originalmente o local era utilizado para a produção de vinho, mas com o passar dos anos a família começou a investir no ramo hoteleiro. A diária não é barata, mas escolhemos ficar ali já que comemoraríamos nossos 10 anos de casados na ilha.  Esse hotel merece um post à parte!! ;-)

Nosso quarto no Atrina Hotel - Oia - Santorini

        Bom, como planejamento de nossas férias, decidimos ficar em um hotel melhor e aproveitar tranquilamente nossos dias em Santorini, já que depois iríamos para mais 3 ilhas e daria para curtir muita praia!! Então vou colocar abaixo o que fizemos em nossos 3 dias em Santorini, lembrando que o nosso foco era curtir aquela vista maravilhosa, o silêncio incrível e o nosso hotel. 

 

Foram dias incríveis! Se quiser mais detalhes dos nossos dias por lá é só seguir lendo o post com o diário do que fizemos em Santorini. Caso tenham alguma dúvida ou comentário é só deixar aqui com a gente! :-)

 Chegada em Santorini - 13/07/14
  
            Após conhecermos nosso quarto, saímos para almoçar na avenida principal da cidade. Na verdade a “avenida” nada mais é que um calçadão que cruza toda a cidade de Oia. Almoçamos no restaurante Skala, que oferece uma belíssima vista do mar, boa comida e ótimos preços (€23 para 2 pessoas). Passeamos um pouco pela cidade de Oia, tomamos um sorvete com karidopita (καρυδόπιτα – torta de chocolate e nozes) e voltamos para o hotel.


         Descansamos por um tempo, experimentamos a piscina e depois voltamos para o centro de Oia para acompanharmos o por do sol. 


           A região fica superlotada, já que o pôr do sol de Oia é mundialmente famoso! O lugar mais disputado é a ruína de um antigo castelo, onde as pessoas se penduram nos antigos muros para terem uma boa visão! Conseguimos nos encaixar em um bom lugar e pudemos testemunhar que o evento realmente é de tirar o fôlego!

       Tiramos várias fotos e logo depois que anoiteceu fomos surpreendidos por uma belíssima lua cheia! Exatamente naquele dia aconteceu o fenômeno conhecido como “superlua”!  Uma dica sobre as ilhas gregas, especialmente sobre as que conhecemos (Santorini, Milos, Paros e Mykonos): durante o dia faz bastante calor, mas o vento refresca bem. À noite esfria um pouco, então para os mais friorentos vale a pena levar um casaco bem leve ou um chale.




             Muitos noivos costumam aproveitar o lindo pôr-do-sol de Santorini e fazer lindas fotos sobre os telhados das "casas" e hotéis de Oia. Não é raro ver as noivas prontas passando por ali. Mas realmente são recordações incríveis desse momento especial!

            Depois de mais algumas fotos, pegamos uma pizza (€9) e fomos comer no hotel para tentarmos assistir à final da copa do mundo entre Argentina e Alemanha. Como no hotel não pegava o canal, jantamos e depois saímos procurando um lugar. Acabamos assistindo ao jogo em uma padaria! O engraçado é que nós estávamos torcendo para que a Alemanha ganhasse dos argentinos, mas os gregos aparentemente odeiam os alemães e estavam torcendo com todas as forças pela Argentina. Na dúvida ficamos bem quietos, só assistindo ao jogo e no final a Alemanha acabou vencendo por 1x0.

                Lá na ilha, faz muito calor durante o dia, mas à noite tem um ventinho mais geladinho. Então para as mulheres é sempre bom ter um lenço ou um casaquinho. Lembrar antes de sair para jantar! Rs Para os homens mais friorentos é bom levar um casaquinho fino também! :-)

14/07/14 - SANTORINI
- Santorini (Σαντορίνη) 

         Acordamos e ligamos para a recepção do Atrina Canava Hotel pedindo o café da manhã. O café é servido na mesa que fica em frente a cada quarto. É uma experiência incrível poder começar o dia fazendo uma refeição com aquele visual incrível!

          Hoje o roteiro seria conhecer as principais praias de Santorini. Começamos pela praia de Perissa, que fica bem ao sul da ilha. A praia é bonita, fica bem ao lado de um grande monte, mas o que mais chama a atenção é a “areia”: na verdade, o chão da praia é formado por pedras negras vulcânicas. A praia conta com uma boa estrutura, com guarda-sóis e espreguiçadeiras disponíveis para aluguel (€7 para duas pessoas). A rua em frente à praia tem várias lojas e restaurantes, que servem refeições na praia.

           Finalmente, após 6 dias na Grécia, finalmente tivemos nossa primeira oportunidade de entrar no Mar Egeu! A água não era morna, mas tinha uma temperatura agradável. Nessa praia em particular a água não estava muito cristalina, talvez por conta do excesso de águas marinhas.
          Almoçamos sanduíches de frango com batatas na praia (€16 para 2 pessoas) e por volta de 14h fomos conhecer Akrotiri, um sítio arqueológico que fica bem perto de Perissa.
        O passeio em Akrotiri (€10 para 2 pessoas) dura pouco mais de 1 hora e é obrigatório para os que gostam de história e muito recomendado para quem não gosta também! A cidade pertencia à civilização minoica e por volta do 2º milênio a.C. foi soterrada por uma grande explosão do vulcão de Santorini. Por conta disso, a cidade ficou incrivelmente bem conservada e ainda hoje é possível ver várias construções em ótimo estado de conservação, algo semelhante com o que aconteceu na cidade de Pompéia na Itália. O melhor é que foi construída uma estrutura sobre a cidade para preservá-la, de forma que todo o passeio é feito nessa estrutura coberta e climatizada. É uma experiência inexplicável poder caminhar inclusive entre os prédios dessa cidade de mais de 4 mil anos!



           Seguimos para conhecer a Red Beach ou Praia Vermelha (Kokkini - Κόκκινη παραλία). O acesso à praia é um pouco difícil, pois temos que deixar o carro em um estacionamento e caminhar por uma trilha até o local. A praia não é das melhores para entrar na água, o mar é bastante agitado, mas o visual é impressionante! A praia fica em frente a grandes falésias de terra vermelha vulcânica. Inclusive existem diversos avisos no local sobre o risco de desabamento de partes desses paredões e realmente é possível ver várias partes que caíram.



           No caminho de volta para o hotel passamos em um supermercado Carrefour para comprarmos alguns lanches e água. Aproveitamos um pouco a piscina e depois fomos assistir novamente ao por do sol em Oia. Jantamos no Skala um moussaka (μουσακάς) e um souvlaki (σουβλάκι) e voltamos para o hotel.  





                      Mais uma linda noite em Santorini! Nada como ficar caminhando pelas ruelas de Oia, com aquelas luzes baixas que dão um clima super romântico. Lá não tem postes, as luzes são embutidas nas muretas baixas da cidade! Lembrando sempre do chale à noite para enfrentar o vento frio. :-)

15/07/14 - SANTORINI

             Começando nossa manhã com nosso café da manhã na varanda... Já algo especial e inesquecível! E para comemorarmos esse dia especial, em que completamos 10 anos de casamento, decidimos fazer um passeio de barco por Santorini. Antes da viagem já havíamos pesquisado bastante sobre as opções de passeio e decidimos fechar com a empresa Caldera´s Boat (http://santorini-sea-excursions.com/). O nosso passeio (€100 para 2 pessoas)  de aproximadamente 6 horas de duração começava à tarde em um barco chamado Afroditi que saía do Porto de Thira Antiga e incluía uma visita ao vulcão (Nea Kameni e Palea Kameni), uma parada para nadar nas águas termais, um jantar e finalmente acompanharíamos o pôr do sol ao norte de Santorini.


              De manhã, fomos de carro até Thira Antiga e após rodarmos alguns minutos conseguimos estacionar o carro próximo à cidade. É muito complicado encontrar vagas essa época do ano e temos que tomar muito cuidado pra não deixarmos o carro em local proibido. Almoçamos gyros (€8,60 para 2 pessoas) em uma lanchonete e passeamos um pouco pela cidade. Para descermos até o Porto de Thira Antiga havia 3 opções: teleférico, transporte em burros ou à pé. Decidimos descer a longa escadaria para sabermos como era e nos arrependemos! A descida é longa e o sol escaldante não colabora. Além disso, temos que dividir o caminho com os grupos de burros que sobem e descem levando turistas, então dá pra imaginar o cheiro e a sujeira no caminho!


                Foi bem fácil identificar o nosso barco pelo nome e embarcamos praticamente no horário marcado (15h00min). O barco é razoavelmente grande e confortável.

Possui ambiente interno e externo e uma área externa superior. A primeira parada seria na ilha de Nea Kameni (Νέα Καμένη), onde visitamos a caldeira do vulcão. O local é uma espécie de parque e temos que pagar 1 euro por pessoa para entrar. A caminhada é longa e um pouco cansativa, mas vale pela experiência de chegar bem perto da “boca” de um vulcão de verdade! É possível sentir o calor e o forte cheiro de enxofre ao se aproximar da Caldeira.




              Em seguida o barco parou próximo à ilha de Palea Kameni (Παλαιά Καμένη), onde quem quisesse poderia mergulhar nas águas quentes, geradas pela atividade vulcânica no local. Após algum tempo parado, o barco seguiu para a ilha de Thirásia (Θηρασία). Ao chegarmos em frente a Thirasia o barco parou e foi servido um ótimo jantar, por volta de 18:30 (buffet com salada, arroz, batata e carne de frango e porco e vinho incluídos/refrigerantes à parte). Por fim, retornamos até a orla de Santorini e o barco seguiu até a altura de Oia, onde pudemos contemplar um pôr do sol incrível! 





Retornamos ao Porto de Thira antiga às 21h00min e dessa vez subimos para a cidade pelo bondinho (€10 para 2 pessoas). Encerramos a noite brindando nossos 10 anos de casados em frente ao belo Mar Egeu!


16/07/14- SANTORINI - MILOS

            Último dia em Santorini! Aproveitamos a manhã na piscina do hotel e depois de arrumarmos nossas coisas deixamos as malas na recepção do hotel para podermos almoçar e caminhar pela última vez pelas ruas de Oia. Mais uma vez vale ressaltar o atendimento excepcional que tivemos no Atrina Canava Hotel. Eles foram muito solícitos em permitir que fizéssemos o check-out às 14h00min (o normal seria 12h00min) e ainda deixássemos as malas na recepção. As donas do hotel são muito simpáticas e atenciosas e os funcionários são muito bem treinados para nos atender da melhor forma possível.


            Nosso ferry boat para a ilha de Milos (Μήλος) estava marcado para 18h00min, saindo do Porto novo. Abastecemos e devolvemos o carro alugado no próprio estacionamento do porto. Na verdade, não havia ninguém para receber, a orientação era de que deixássemos o carro aberto e a chave embaixo do tapete do motorista! Coisa impensável no Brasil!


Esse é um dos reutaurantes famosos na ilha. Acabamos não comendo lá! :-)



           Esperamos por um bom tempo no porto. O lugar é uma zona completa! São viajantes para todo o lado e é preciso ficar bem atento para saber o local de onde seu ferry boat irá sair. Embarcamos às 18:20 no barco da SeaJets (seajet2), um ferry de alta velocidade e a previsão de tempo de viagem era de 1h55min. Aqui vale mais uma dica de viagem: é essencial comprar as passagens dos ferries com antecedência, para garantir a viagem no dia e hora desejados. Existem várias empresas de ferries atuando entre as ilhas e é possível comprar os bilhetes pela internet. De Santorini para Milos nós pagamos 105 euros nas passagens para 2 pessoas. Com o voucher em mãos, é necessário se dirigir à loja física da empresa (normalmente fica no próprio porto ou no centro da cidade) e fazer a emissão das passagens com pelo menos 1 hora de antecedência.
 
            O interior do Ferry Boat é bem confortável. Nesse trecho os bilhetes vinham com lugar marcado, o que causou um certo tumulto no início, já que algumas pessoas sentaram em lugares aleatórios. Durante a viagem conhecemos um casal de brasileiros de São Paulo, que moravam na França e que estavam passando as férias na Grécia.



Nos despedimos já cheios de saudade dessa ilha incrível!